Mais sobre mim

As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

Redes sociais

Facebook:

Voz do Goulinho

Instagram:

@vozdogoulinho

Novas notícias

Vamos ajudar o Santuário ...

O Renascer do Vale da Rod...

Era assim o meu Goulinho

Nota de Pesar

Reciclagem uma miragem na...

Incêndios… Onde está a pr...

Voltei!

NEVOEIRO DE VERÃO

O CHEIRO DA SERRA

SÓ DIGO A VERDADE

Outubro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquisar

 

Links

Arquivos

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

RSS
blogs SAPO
Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2012

GENTE DO POVO

 

Sou e serei sempre admirador profundo das gentes simples do povo, que no fundo é onde estão as minhas raízes, a que me orgulho de pertencer.

 

E por isso hoje, vou recordar com saudade, um grande homem do povo, falecido já há alguns anos e que muito fez pelo meu Goulinho.

Esse homem chamava-se António Lourenço Duarte, nos anos cinquenta, sem apoios ou subsídios, ( nesse tempo não havia esses luxos ) montou de raiz uma serração de madeiras, e fabricação de móveis.

Mais tarde sabendo das dificuldades que o povo tinha, em moer os cereais, ( milho e centeio ) principalmente nos meses de verão, época em que a água na barroca escasseava, montou uma moagem de farinha.

Vinha gente de outras terras nomeadamente da Gramaça, Porto Silvado, Barroja, Cimo da Ribeira, Aldeia das Dez e muitas outras terras, trocar os respectivos cereais por farinha.

Este homem foi o maior empregador da nossa Freguesia, e grande amigo do Goulinho, foi graças ao seu dinamismo que o Goulinho teve energia eléctrica mais cedo, que qualquer outra aldeia da Freguesia.

Gostava da sua terra, das suas gentes, o seu pensamento era fazer crescer o Goulinho, ao ponto de lotear uma parcela de terreno, para facilitar os nossos conterrâneos com vontade de construir uma casa, na sua terra o pudessem fazer.

Homem crente na fé, ofertou para a nossa capela, a imagem de Nossa Senhora da Boa Viagem em agradecimento á Virgem, pelas muitas viagens que os seus motoristas faziam sem qualquer acidente.

Quem convivesse de perto com o Ti António, não passava fome, havia sempre um bocado de broa, uma lasca de bacalhau, um bocado de queijo, ou presunto, e uma boa malga ( tigela) de vinho.

Se este homem estivesse hoje entre nós, não tenho dúvidas que o Goulinho teria outra dinâmica , e digo com toda a frontalidade, se no Goulinho, alguém merecia ter o seu nome numa das nossas ruas, o Tio António era o primeiro, manifestei este meu desejo em local próprio, ás pessoas envolvidas na escolha dos nomes a atribuir ás nossas ruas, (mas como nestes casos é , “eu quero posso e mando” ) o meu desejo não foi concretizado, o erro fica na consciência de alguém… 

Publicado por vozdogoulinho às 00:55
Link do post | Comentar | Favorito
Partilhar
4 comentários:
De Célia lourenço a 13 de Fevereiro de 2012 às 18:02
Caro Sr. António Assunção,

Apresento-lhe os meus cumprimentos.
Não é a primeira vez que o sr . faz alusão, neste seu blog, à figura de António Lourenço Duarte. Sempre que a faz é no sentido de homenagear o homem e a obra.
Como descendente directa sinto-me no dever de agradecer as suas palavras e o seu reconhecimento. Devo-lhe o agradecimento porque é dos poucos que tem a humildade suficiente para reconhecer mérito ao homem que mais fez pelo desenvolvimento do Goulinho .
Escrevi recentemente que a fábrica que António L. Duarte estabeleceu no Goulinho e que começou a laborar com cerca de dez operários chegou a ter, no início da década de 60, vinte e dois, tornando-se assim uma indústria significativa na zona e a maior empregadora da freguesia. Este empreendedorismo (palavra hoje na moda) de António L. Duarte seria, à época, uma originalidade na região e uma possibilidade de emprego rara. Devemos ter presente, se a memória não for curta, que as décadas de 50 e de 60, período áureo do Estado Novo, foi um tempo marcado pela miséria e pela carência de emprego.
Mas a personalidade intrépida do meu avô não era só marcada pela tenacidade e pela enorme capacidade de trabalho, era profundamente marcada pela generosidade, como o sr . salienta. Ainda hoje uma pessoa residente no Goulinho o intitula “pai dos pobres”porque ela e muitas outras pessoas usufruíram, muitas vezes, dessa capacidade de dar que lhe era intrínseca.
Concordo consigo, ninguém que já viveu ou vive no Goulinho merecia mais do que ele o nome de uma rua. Seria o reconhecimento da terra e dos vindouros a alguém que faz parte do passado mas foi marcante como nenhum outro.
Lamento que a maioria dos goulinhenses não o tenha sentido assim.
Reitero a minha gratidão à sua voz e à sua homenagem.
Célia Lourenço
De Lourdes a 23 de Fevereiro de 2012 às 00:32
Uma bonita homenagem a um grande homem.
beijinhos
Lourdes
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2012 às 14:55
É realmente de lamentar que os homens de hoje não saibam reconhecer o valor dos antepassados que deram o seu máximo pelo desenvolvimento das suas terras de origem.
Chama-se a isto vistas curtas ... estes não são dignos daqueles.
Honremos a memória de quem merece.

F.P. A.
De Andesman a 4 de Março de 2012 às 19:56
É pena. É pena que essas pessoas partam e deixem um vazio, pois já não há muitas pessoas assim. Mas,é ainda mais pena que haja pessoas que se recusam a reconhecer o valor de outros mesmo depois de estes terem partido. Felizmente o sr. AA têm memoria e gratidão.

Um abraço e saude para si e familia

Comentar post