As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

.Novas noticias

. Nevoeiro de verão

. O CHEIRO DA SERRA

. SÓ DIGO A VERDADE

. PUREZA DE ESPIRITO

. RIO ALVA

. GOULINHO ESTÁ MAIS ...

. MONTE DO COLCURINHO

. FALSOS CRENTES

. ALDEIA DAS DEZ É LIN...

. GOULINHO --- REQUALIF...

. RECORDAR É VIVER

. AMAR A VIDA

. SENHORA DAS PRECES

. TOPONIMIA NO GOULINHO

. GENTE DO POVO

. A MINHA APRESENTAÇÃO

. O QUE SERÁ DO MEU GO...

. RECADOS

. ERICA VULGARES-----URZE

. MARCHA DO GOULINHO

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

GOULINHO E OS RESINEIROS

 

Hoje de manhã, fui dar uma volta pelas ruas da Bobadela, terra que me acolheu já há vinte cinco anos, encontro um amigo, bom dia, então como vai a família, enfim cumprimentos da praxe, conversa, puxa conversa, e lá vamos cair naquilo que toda a gente fala, o País, a crise qual vai ser o futuro, respondo, pois é ninguém sabe responder, mas para melhor não iremos, este mal vai demorar muitos anos a curar.

 

Responde o meu amigo: “Hoje toda a gente se queixa, no nosso tempo a vida era muito pior, e nós fomos vivendo com muitos sacrifícios, e não protestávamos, hoje, toda a gente protesta por tudo e por nada, olhe, eu bem novo, com catorze anos, já andava com uma lata ás costas a resinar pinhal com o meu Pai, mal eu podia com a lata vazia, era vida dura, mas não morri, hoje rapazinhos com dezoito, e vinte anos, nada sabem fazer, e muitos até nem querem, os pais é que os governam, esperamos que melhores dias venham …olhe, até mais logo, o senhor tem para onde ir, e eu também.” e a conversa ficou por aqui.

 

Vim para casa, e a conversa vinha na minha cabeça, ou seja, a história de vida de resineiros que eu no meu Goulinho, tive a oportunidade de ver, a difícil vida , desses valentes homens.

 

Levantavam-se ainda o sol não tinha nascido, metiam os pés ao caminho, de lata ao ombro, raspa na mão, levando ou não estacas, bicas ou púcaros de barro, ( mais tarde vieram de plástico ) mas sempre prontos a dar cabo da fatiota pelo ácido que botavam nas sangrias, só a lata vazia, e o peso da mesma, já era um desconforto .

 

Levavam preso à cintura um saco de pano com uma bucha para comerem no meio da mata o sitio escolhido era sempre junto de um nascente de água ou junto de um ribeiro para beberem a água fresca.

 

Comendo o que o diabo amassou, é de dar graças a Deus, serem livres de grandes quedas, pois passavam por grandes penhascos, e fragas , eram uns verdadeiros fura moiteiras, percorrendo caminhos de cabras, passando no meio das silvas e do mato da altura de um homem. Admiro o saber daqueles homens, que corriam de pinheiro, em pinheiro, sem falhar um pinheiro.

 

Vi muitas vezes pela hora do calor, o nosso amigo Serafim, com um pau aos ombros, e duas latas cheias de resina, de cada lado, homem forte, poucos faziam esta aventura.

 

A resina era vazada em barris, estrategicamente colocados, à beira dos caminhos florestais, para serem recolhidos por carros de bois, lembro-me do senhor Cipriano, fazer esse transporte, para o sitio chamado o Vale, frente ao Goulinho junto da fonte velha, dai era carregado em camionetas para as várias fabricas de transformação de resina.

 

Havia pinhais, que rebentavam com qualquer resineiro, por exemplo os pinhais da Barroqueira, do Maroucho, da Cavadinha, nestes era sempre a subir, com a lata ao ombro, até chegar á estrada.

 

Hoje os pinhais existem, não são resinados, não sei se por falta de pessoal, que queira fazer este tipo de trabalho, ou será, que a resina não tem o valor dos tempos passados?

 

Este texto serve de homenagem àquele que foi um grande resineiro no Goulinho o saudoso Serafim.

 

 

A vida de resineiro

É uma vida amargurada

De pinheiro em pinheiro

Não encontra a sua amada

 

 

publicado por vozdogoulinho às 19:38
link do post | favorito
De Silvia Jorge a 18 de Agosto de 2011 às 13:23
Vim parar a este blog porque procuro resina natural, a resina extraida pelos resineiros. Represento uma associação que tem um projecto que envolve materiais ecológicos e desenvolvimento das actividades locais.
Se me pudessem ajudar a encontrar resina natural e resineiros, agradecia.
sjorge@avizinha.com
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds