As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

.Novas noticias

. Nevoeiro de verão

. O CHEIRO DA SERRA

. SÓ DIGO A VERDADE

. PUREZA DE ESPIRITO

. RIO ALVA

. GOULINHO ESTÁ MAIS ...

. MONTE DO COLCURINHO

. FALSOS CRENTES

. ALDEIA DAS DEZ É LIN...

. GOULINHO --- REQUALIF...

. RECORDAR É VIVER

. AMAR A VIDA

. SENHORA DAS PRECES

. TOPONIMIA NO GOULINHO

. GENTE DO POVO

. A MINHA APRESENTAÇÃO

. O QUE SERÁ DO MEU GO...

. RECADOS

. ERICA VULGARES-----URZE

. MARCHA DO GOULINHO

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Terça-feira, 3 de Março de 2009

Pensem em mim...

Hoje ao acordar, indolentemente deitado nestes montes verdejantes onde estou, senti o abraço fraternal do sol que revitaliza as minhas encostas, casas e habitantes! Finalmente um pouco de calor após chuva, vento, frio e neve... Afinal os anos vão passando e os raios de sol nestas velhas encostas fazem renascer nova vida e animar a própria natureza.

Em dias como este, por vezes recordo o passado cheio de vida e trabalho e penso no futuro... O que me aguarda? Não sei, é difícil o nosso destino depender da vontade de outrem, sermos meros espectadores da nossa decadência e lenta desertificação. O que mais me entristece e deixa até por vezes revoltado, é ver tantas casas desabitadas e a ficarem cada vez mais degradadas chegando à beira da ruína... Porquê? Pergunto-me eu incessantemente! Se já é mau algumas pessoas simplesmente esquecerem as suas raízes e partirem, parece-me que muitos dos filhos e netos simplesmente não sentem qualquer apego a mim ou ao legado que lhes foi deixado. Esse sentimento é completamente legítimo, afinal gostar de uma terra é algo quase que inato, não se pode forçar, simplesmente sente-se e é quase como a fé, ou seja, um dom de Deus... Mas se não gostam, não querem, não preservam, não lhes interessa, porque não vendem? Porque não permitem que outros possam usufruir de algo que para eles lhes é indiferente, um fardo, algo de supérfluo? Só para poderem dizer aos amigos que até têm muitos terrenos e uma casa "lá na terra" (pena que não lhes expliquem que está a cair e que nunca lá vão)? Ou para manter as aparências perante as pessoas da aldeia? Ou simplesmente porque acham que possuem uma mina de ouro e que algum dia vai aparecer um milionário e oferecer quantias exorbitantes as quais eles estão convictos que valem os seus bens, sem pensarem que com o passar do tempo e desleixo se vão desvalorizando?
Sinceramente não entendo, porque se agarram a algo que não querem e não estimam, sem sequer terem a consciência que contribuem com este tipo de atitudes para a desertificação e atraso que me atinge e simultaneamente para a progressiva desvalorização dos seus bens, porque não sei se eles se apercebem que numa aldeia fantasma poucos querem viver ou tão pouco investir!
Isto sem falar nos terrenos... Não os vendem, agarram-se a eles como um cão a um osso... mas quantos ainda saberão quais são os limites dos seus terrenos, onde estão os marcos, como é que lá chegam, no meio de um matagal que se transformaram os montes ao meu redor? De que serve ter "algo" numa aldeia onde já não existe nada nem ninguém? Agarram-se às coisas, mas sem qualquer objectivo prático ou racional, simplesmente porque sim... Lamento esta mentalidade e quando se queixam que eu estou a ficar sem habitantes, pensem nas razões porque tal acontece! Não esperem soluções dos outros e que um milagre aconteça, pensem antes no que podem fazer para me reabilitar como aldeia!
Eu preciso de sangue novo, de pessoas de fora que se estabeleçam aqui… Novas ideias e formas de pensar, não condicionadas pelo que os “outros” pensam, pelo “antes era assim” pela estratificação definida e aceite universalmente como correcta… As preocupações com coisas muitas vezes insignificantes num contexto global, tomam dimensões exageradas e a necessidade de validação externa levam a que aquilo que deveria ser decidido em prol dos meus interesses em tempo útil, seja minado pelas burocracias e pelos pormenores, levando a que tudo fique igual e nada nunca seja decidido e evolua.
Desculpem os desabafos de um velho, cansado de ver o tempo a passar, de ouvir muitas palavras e pouca acção! Tomem nas vossas mãos as rédeas do futuro, tal como disse Jonh F. Kennedy “Não penses no que o teu país pode fazer por ti mas sim no que tu podes fazer pelo teu país.”
 

 

publicado por vozdogoulinho às 15:07
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Lourdes a 3 de Março de 2009 às 19:08
Estou completamente de acordo. Esta não é só a voz da "Voz do Goulinho " é também a voz de muitas outras aldeias situadas no interior profundo do país, abandonadas pelos seus nativos. É muito triste vermos a desertificação tomar conta da nossa região. Também no Sobral Magro acontece o mesmo em relação aos proprietários de casas e terrenos. Não tratam deles, não os vendem e se pensam em o fazer pedem quantias astronómicas por eles. Penso que se o governo legislasse e as autarquias implementassem uma política de forma a punir casos de abandono de prédios e facilitasse as pessoas que pretendem reconstruir (no caso das habitações ), talvez fosse um incentivo para a fixação de pessoas nas nossas aldeias.
De luis antunes a 4 de Março de 2009 às 00:34
meus carissimos amigos de Goulinho
continuo a contar com a vossa presença assidua no meu novo sitio
abraço ao povo de Goulinho na pessoa do meu amigo Antonio Assunção
De Andesman a 5 de Março de 2009 às 13:16
Excelente post. Terminando com uma igualmente excelente citação de JFK.
1 abraço

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds