As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

.Novas noticias

. Nevoeiro de verão

. O CHEIRO DA SERRA

. SÓ DIGO A VERDADE

. PUREZA DE ESPIRITO

. RIO ALVA

. GOULINHO ESTÁ MAIS ...

. MONTE DO COLCURINHO

. FALSOS CRENTES

. ALDEIA DAS DEZ É LIN...

. GOULINHO --- REQUALIF...

. RECORDAR É VIVER

. AMAR A VIDA

. SENHORA DAS PRECES

. TOPONIMIA NO GOULINHO

. GENTE DO POVO

. A MINHA APRESENTAÇÃO

. O QUE SERÁ DO MEU GO...

. RECADOS

. ERICA VULGARES-----URZE

. MARCHA DO GOULINHO

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

ESCOLA EDUCAÇÃO ENSINO

 

Um pouco de mim… como todas as crianças ao fazermos os sete anos era altura de entrar na escola primária. Eu entrei na escola de Vale de Maceira, franzino, frágil, filho de Mãe solteira (mas uma grande Mãe que soube ser Mãe e Pai ao mesmo tempo) fui para a escola sozinho, com medo e envergonhado. No primeiro dia acho que todos estávamos a sofrer do mesmo mas os dias foram correndo e fui-me adaptando ao novo ambiente só que para mim esses dois anos não foram fáceis.

 

Como já atrás disse eu não tinha Pai e por esse motivo no caminho de e para a escola era motivo de chacota pelos outros miúdos e miúdas, por esse motivo havia sempre escaramuça porque eu não gostava de ouvir as coisas que eles me diziam e então era o bombo da festa pois não poucas vezes me batiam. Mas há males que vêem por bem… A minha Mãe adoeceu e teve que ir para Lisboa fazer tratamentos dai a minha ida para a capital e ai sim fui bem tratado pelos colegas e nunca senti descriminação.

 

Naquele tempo os alunos que entravam na primeira eram juntos com as outras classes ou seja a segunda terceira e quarta classes e uns poucos já a fazer a admissão ao liceu tudo isto feito pela mesma professora. Hoje reconheço que os professores dessa época eram uns grandes senhores a ensinar e a manterem a disciplina por vezes a menina dos cinco olhos trabalhava. Mas meus amigos a ordem reinava e a aprendizagem essa também estava garantida como todos nós sabemos o ser humano não é igual e havia alguns alunos que ou porque estavam menos atentos à matéria dada ou porque o poder de assimilação era inferior aos restantes da classe acabavam por repetir o ano, mas todos chegavam ao fim com a quarta classe que era o exigido na época.

 

Eu no Vale de Maceira só andei até à segunda classe, a terceira e quarta já a fiz em Lisboa na escola 68 na Rua da Penha de França junto a Sapadores.

 

E aqui tive uma grande história que me marcou para toda a vida muito pequeno serviu para que passasse a ser mais responsável.

 

Com vários meses já de cidade e de escola, no caminho que fazia de casa para a escola ( ninguém me ia levar ) eu passava pelo Quartel do Batalhão de Telegrafistas na Rua de Sapadores. Um belo dia ao ver os soldados a marchar sentei-me a observar e faltei á escola. Fiz isto três dias seguidos… Ao quarto dia veio a empregada auxiliar da escola a minha casa perguntar por mim à minha Mãe dizendo que eu já não ia á escola há três dias. Sendo questionado pela minha Mãe por onde é que tinha andado os três dias respondi a verdade, que tinha estado a ver os soldados a marchar. Mal acabei de falar já estava a enfardar com umas boas bofetadas por tudo o que era sitio ouvindo um belo sermão. Disse a minha Mãe “hoje vou levar-te á escola” assim foi e ao chegar à sala de aula a minha mãe contou o que se passou ao meu professor e disse “senhor professor faça o que deve de fazer para ele não repetir a aventura” mal a minha mãe saiu o professor Morais não foi de modas deu-me duas galhetas uma dum lado e outra do outro. Era um homem pequenino mas tinha naquelas mão uma velocidade que cá o rapazinho ficou sem vontade de ver os soldados a marchar… foi cura radical nunca mais faltei á escola!

 

Meus caros leitores imaginem esta cena nos dias de hoje!!! Em que o aluno bate ao professor e se o professor falar só um pouco mais alto para o aluno esse vai fazer queixinha aos papás o professor ralhou e gritou comigo. Vai logo o papá ou mamã à escola dizer ao professor o senhor nunca mais grita com o meu filho pois psicologicamente ele ficou muito afectado isto se não partirem para a agressão ao professor.

 

Enfim tudo isto para dizer que o professor não educa, o professor ensina pois a educação tem que vir de casa. Até digo mais o Ministério da Educação nos dias de hoje devia de chamar-se do Ensino e não da Educação essa nomenclatura tinha razão de assim se chamar de educação mas era na minha geração que ai sim o professor ensinava e ajudava a educar ao mesmo tempo.

 

Bem sei que vou ter comentários dizendo que nesse tempo o ensino era muito rude e os professores abusavam da autoridade que tinham. Mas quem os faz de certeza que gostam da bandalheira que hoje temos em que já nem por faltas se chumba. tudo hoje é muito fácil e com muita falta de respeito.

 

 

 

Espero por dias melhores.

 

publicado por vozdogoulinho às 19:27
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Andesman a 17 de Abril de 2011 às 15:26
É por histórias destas, que a juventude de hoje, considera que nós somos dos tempo dos dinossauros; quando diz: Isso foi noutros tempos, agora é diferente.

Nos meus tempos de escola, um menino assim para o gordo, era forte. Eu como era um trinca espinhas: era muito magrito, muito fraquito. Era assim que dizia a minha Mãe.
Era um aluno bastante razoável e não faltava à escola, mas era um traquinas dos diabos. No caminho fazia as minhas diabruras e não foram poucas as vezes, que pelo mesmo assunto, apanhei uma "trepa" do meu pai (era assim que ele dizia) e umas "galhetas" na escola.

Obrigado por partilhar aqui as suas memórias da escola, que me fizeram recordar as minhas.

1 abraço e saúde para si e os seus

Obrigado por trazer aqui estas
De Célia lourenço a 20 de Abril de 2011 às 09:52
Tem razão, do 8 passou-se ao 80...

Para provar que nem tudo é mau no ensino envio os endereços electrónicos onde pode encontrar referências a um projecto de alunos da Escola Secundária de Oliveira do Hospital .http :/ www.correiodabeiraserra.com /index.php?option=com_content&view=article&id=3968:ja-sao-conhecidos-os-nomeadhttp ://www.radioboanova.com/

http ://7maravilhasoliveiradohospital.blogspot.comhttp ://www.esoh.pt/

Como sei que é um apreciador da nossa terra, concelho e região, agradeço-lhe que me auxilie a divulgar este projecto de Eleição das 7 Maravilhas de Património Cultural e Ambiental do Concelho de Oliveira do Hospital. Se me der o seu email posso enviar-lhe o material necessário.
Votos de uma Páscoa Feliz,
Cumprimentos,

Célia Lourenço
De Célia lourenço a 22 de Abril de 2011 às 08:47
Ver também:
http://www.cm-oliveiradohospital.pt/site2/index.php

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds