As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

.Novas noticias

. Nevoeiro de verão

. O CHEIRO DA SERRA

. SÓ DIGO A VERDADE

. PUREZA DE ESPIRITO

. RIO ALVA

. GOULINHO ESTÁ MAIS ...

. MONTE DO COLCURINHO

. FALSOS CRENTES

. ALDEIA DAS DEZ É LIN...

. GOULINHO --- REQUALIF...

. RECORDAR É VIVER

. AMAR A VIDA

. SENHORA DAS PRECES

. TOPONIMIA NO GOULINHO

. GENTE DO POVO

. A MINHA APRESENTAÇÃO

. O QUE SERÁ DO MEU GO...

. RECADOS

. ERICA VULGARES-----URZE

. MARCHA DO GOULINHO

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

GRANDE MÃE GRANDE MULHER

 

Com cinco anos apenas

Ficaste com muitas penas

De um pai tu teres perdido

Ficaste com tua Mãe

Com muitas saudades também

E só a viver contigo

 

Tua vida mal fadada

Uma vida amargurada

Foste crescendo na vida

Vida tirana e errante

Não chegaste a ser estudante

Tua vida foi sofrida

 

Eras bela rapariga

E lá foste na cantiga

Um homem reles te enganou

Deixou-te um filho nos braços

Uma vida de embaraços

A tua alegria voou

 

Criaste essa criança

Tendo sempre na lembrança

Esse grande desamor

Esse homem que te enganou

No filho nunca pensou

Foi canalha um traidor

 

Trabalhou muito na vida

Muitas vezes em corrida

O seu filho amamentava

Muita gente dela se ria

E ela sem alegria

Para não responder cantava

 

Caixa de sardinha á cabeça

Mas que vida tão travessa

Era a vida da Maria

Com o seu filho nos braços

E os pés quase descalços

Triste vida a da Maria

 

A vida foi muito dura

Esta é a verdade pura

E a verdade não engana

Eu tenho muita saudade

O bom Deus não tem maldade

E um dia também me chama

 

Este filho que te amou

Na vida sempre pensou

Em sempre te amparar

Foi isso que sempre fiz

E foi Deus que assim quis

Que por ti ficasse a chorar.

 

 

 

António Assunção

 

publicado por vozdogoulinho às 00:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds