As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

.Novas noticias

. Nevoeiro de verão

. O CHEIRO DA SERRA

. SÓ DIGO A VERDADE

. PUREZA DE ESPIRITO

. RIO ALVA

. GOULINHO ESTÁ MAIS ...

. MONTE DO COLCURINHO

. FALSOS CRENTES

. ALDEIA DAS DEZ É LIN...

. GOULINHO --- REQUALIF...

. RECORDAR É VIVER

. AMAR A VIDA

. SENHORA DAS PRECES

. TOPONIMIA NO GOULINHO

. GENTE DO POVO

. A MINHA APRESENTAÇÃO

. O QUE SERÁ DO MEU GO...

. RECADOS

. ERICA VULGARES-----URZE

. MARCHA DO GOULINHO

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

Baú de Memórias: Os divertimentos de antigamente...

O Vale de Maceira (Santuário de Nossa Senhora das Preces) era nas décadas de 40 a 60 aquilo a que hoje se poderia chamar uma grande área comercial. Lembro-me de três grandes supermercados da época onde de tudo se vendia desde tecidos para a confecção de roupas, cobertores, lençóis e mantas de lã até utensílios para a agricultura. Enfim tudo o que hoje se vende em qualquer grande superfície poderia ser encontrado na mercearia da menina Assunção (que ainda hoje assim é tratada), um pouco mais acima era a mercearia do Sr.Anibal que tinha de tudo um pouco embora se destacasse na oferta dos tecidos, logo ao lado tínhamos a loja da tia Gracinda e um pouco mais á frente na Casa da Eira tínhamos alfaiate taberna e mercearia cuja oferta não era tão significativa como as restantes. Nesta serra toda a roupa era feita por costureiras cá da terra, o Vale de Maceira tinha várias assim como eu (Goulinho) tinha na casa da tia Maria Rosa a filha Celeste (já falecida) e a Dª Elisa (que ainda hoje pega na agulha embora a idade seja já avançada).

Vinha gente da Gramaça, Porto Silvado, Vale Torno, Barroja, Avelar e Chão Sobral ao domingo até ao Vale de Maceira pois era dia sagrado, como tal naqueles tempos todas as pessoas vinham à Missa, enchia-se a igreja e por vezes ficava gente à porta. Muitas raparigas e mulheres que vinham do lado da Gramaça e Porto Silvado vinham calçadas com calçado velho, quando chegavam à forja do tio João calçavam os melhores sapatos que traziam na sacola e algumas (não todas…) calçavam as meias. No final da Missa trocavam conversa com pessoas conhecidas ficando a saber as últimas novidades pois só se viam de oito em oito dias. Os mais novos falavam dos namoricos dos bailes que se faziam nas várias aldeias que era o grande divertimento da época pois não havia televisão e eram raros os que tinham uma telefonia. A grande atracção da altura eram sem dúvida os bailaricos, destacando-se os bailes na Gramaça devido aos seus grandes tocadores, lembro-me do ti Lameiras com o seu bandolim, os Freires com as suas harmónicas (mais tarde boas concertinas), não me podendo esquecer que o José da Barroca também se ajeitava bem nos bailes do Porto Silvado.

Eu também tinha cá os meus bailaricos… Ah se tinha! O mais antigo era na loja da forja mais tarde passou para a loja da tia Albertina e depois para a garagem do tio Acúrcio. Os tocadores eram muito bons, desde o tio Cristiano (marido da Dª Elisa), ao António Bárbara com a sua viola, o António Mendes de Vale de Maceira que era um artista a tocar guitarra e a cantar sendo uma figura única a dirigir o fado mandado. Faziam-se grandes desgarradas  e os mais velhos de vez em quando também davam o seu pezinho de dança. As mães também estavam presentes, em especial para guardarem as filhas não aparecesse algum rapazote mais atrevido!

Esta era a minha vida… e é nestes momentos que me vem à mente o refrão daquela velha canção: “Ó tempo volta para trás…”

Hoje já só há missa quando o Padre Sousa quer ou pode e todas as mercearias fecharam. A crise começou nos finais dos anos 60 quando a juventude foi para outras paragens. Hoje só nos restam as pessoas idosas e já não são muitas, a desertificação acelera a grande velocidade e embora as aldeias apresentem bonitas casas muitas delas são colónias de férias para alguns dias de descanso… Resta uma aldeia na nossa freguesia que se chama Chão Sobral que tem sabido e bem segurar a muita juventude que tem… não sabemos é até quando…

 

publicado por vozdogoulinho às 16:53
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds