As noticias e comentários do dia a dia de uma pequena aldeia da freguesia de Aldeia das Dez no concelho de Oliveira do Hospital.

.Novas noticias

. Nevoeiro de verão

. O CHEIRO DA SERRA

. SÓ DIGO A VERDADE

. PUREZA DE ESPIRITO

. RIO ALVA

. GOULINHO ESTÁ MAIS ...

. MONTE DO COLCURINHO

. FALSOS CRENTES

. ALDEIA DAS DEZ É LIN...

. GOULINHO --- REQUALIF...

. RECORDAR É VIVER

. AMAR A VIDA

. SENHORA DAS PRECES

. TOPONIMIA NO GOULINHO

. GENTE DO POVO

. A MINHA APRESENTAÇÃO

. O QUE SERÁ DO MEU GO...

. RECADOS

. ERICA VULGARES-----URZE

. MARCHA DO GOULINHO

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Quarta-feira, 18 de Julho de 2012

Nevoeiro de verão

O nevoeiro desce sobre os montes como um manto gelado que vai tornando o dia numa bruma indefinida. Os pássaros chilreiam aflitos enquanto correm para os ninhos para proteger os pequenos recém nascidos do frio, os animais escondem-se e procuram abrigo daquele inverno inesperado em Julho. Mas a névoa não desiste e arrepia caminho por entre giestas e pinheiros, castanheiros e barrocas, vai descendo impiedosa insinuando-se por todos os caminhos e encostas que encontra.

A bruma vai descendo sobre a aldeia cobrindo os telhados e deixando um rasto de humidade e frio, os cães procuram abrigo e os gatos fogem disparados, instala-se o silêncio em plena tarde e uma escuridão macilenta que nos impede de adivinhar as horas. Entramos num limbo de tempo e espaço, estamos numa pequena ilha onde pouco se vislumbra para além de nós mesmos e da nossa exígua realidade. A mente divaga, por momentos perdemo-nos em lembranças como se o nevoeiro trouxesse com ele uma nostalgia difícil de expulsar. Os anos pesam enquanto se olha pela janela e se sentem os ossos a doerem da humidade. A força do hábito leva a que se baixe para por uma cavaca na fogueira, acende o fósforo e ateia uma pinha, que coloca na lareira… o fogo começa a despertar e cresce com as suas cores amarelo e laranja afastando por momentos a escuridão que se instalou.

Enquanto observa o lume a mente divaga e recorda tempos que já lá vão, quando o futuro era uma certeza e o presente se vivia de forma apressada. Por momentos deixa de ter as dores nas costas e nos ossos, volta a ter um brilho de esperança nos olhos ao recordar a criança que foi, a vida que viveu, os sonhos que realizou e as ilusões que perdeu. Sacode a cabeça tentando voltar à realidade e arrasta os pés até à janela olhando para o cinzento frio que rodeia toda a aldeia. Naquelas sombras brancas e frias começa a ver rostos dos que já partiram, olhos que sorriem da família que um dia foi sua, dos amigos que com os anos foram desaparecendo, fantasmas que se foram tornando a sua única companhia… Vê-os nas casas abandonadas e degradadas, nas que apenas são visitadas ocasionalmente, nos caminhos de silvas e giestas, nos bancos onde antigamente se sentavam e botavam conversa fora, nos campos que foram abandonados e nos sonhos quando finalmente se deita e o seu corpo cansado anseia pelo descanso mas a mente permanece activa teimando em recordar o que era melhor esquecer.

Afasta-se da janela recusando-se a ser engolido pelo passado, a velhice já alguém disse é quando as lamentações tomam o lugar dos sonhos, por isso recusava-se a ser velho e não se lamentava… mas também era realista e tinha deixado de sonhar. Ou talvez não… Sonhava que um dia a aldeia voltasse ao que era antigamente, que outros tomassem o lugar dos fantasmas e que o som afastasse a tristeza permanente em que a aldeia mergulhara.

Mais cedo ou mais tarde o nevoeiro teria de partir e o sol voltaria a brilhar, mais um dia para viver… Seria o primeiro dia do resto da vida dele, ou como muitas vezes pensava, estava um dia mais perto da inevitável e esperada morte…

 

Sílvia Lourenço Almeida

 

publicado por vozdogoulinho às 21:06
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds